Diversas categorias de trabalhadores e trabalhadoras participarão da mobilização deste dia 30, em Brasília, organizada pela CUT, com apoio da CTB, Força Sindical, UGT, CSB e Intersindical e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, e ocuparão a Esplanada dos Ministérios para defender as estatais brasileiras, a soberania do Brasil, serviço público de qualidade para a população, os direitos e os empregos.

Caravanas de diversas partes do país já estão se dirigindo à capital federal para somar forças na mobilização e mostrar ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) que a classe trabalhadora não aceita mais ataques a direitos nem a entrega do patrimônio nacional, anunciada e já iniciada pelo Ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, tampouco o desmonte dos serviços prestados à população, como eles estão fazendo, para justificar a privatização de áreas essenciais como saúde, educação, água, energia e saneamento básico.

Categorias como bancários, metalúrgicos, petroleiros, professores, servidores públicos federais, além de trabalhadores em estatais como Eletrobras e Correios, terceirizados e desempregados participam da mobilização.

Defesa das estatais
O presidente da CUT, Sérgio Nobre, reforça o caráter de luta contra as privatizações, na verdade, a entrega a preço de banana do patrimônio do povo para transnacionais e multinacionais que visam apenas o lucro com a exploração de prestação de serviços, inclusive os básicos, não investindo nada no Brasil e ainda mandando os lucros para fora sem gerar empregos no país.

“A política de Paulo Guedes compromete o futuro do Brasil, por isso todos têm que ir para as ruas. Os trabalhadores, a dona de casa, os estudantes, os rurais, os indígenas, todos contra a destruição do país”.

“Ir para as ruas, é defender o Brasil, a geração de emprego para mais de 30 milhões de trabalhadores e trabalhadoras desempregados e subempregados que querem empregos de qualidade. Ir para ruas é dar um basta nas políticas neoliberais e garantir a prestação de serviços públicos de qualidade para toda a população”, Sérgio Nobre

Bancários e bancárias de bancos públicos de vários estados também se dirigiram a Brasília já nesta terça-feira (29) para participar do Seminário “O Brasil é Nosso”, organizado pela Contraf-CUT em parceria com a Federação Nacional das Associações de Pessoal da Caixa (Fenae), e do ato nesta quarta. O evento de hoje faz parte da campanha em defesa dos bancos públicos, da soberania nacional, do crédito, do emprego e do desenvolvimento.

Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e membro do Comando Nacional dos Bancários, ressalta que a mobilização é fundamental para a sociedade entender que o que está em jogo é o futuro de quem está no mercado de trabalho e dos que vão entrar, dos que precisam de serviços públicos, gratuitos e de qualidade e de bancos fortes fomentando o desenvolvimento sustentável do país.

“O governo Bolsonaro já é responsável pelo maior retrocesso social e trabalhista da história do Brasil”, diz a dirigente destacando que medidas como o pacote de privatizações, e reformas como a Trabalhista do ilegítimo Michel Temer (MDB-SP), que o atual governo quer aprofundar , trouxeram aumento do desemprego e a informalidade.

A dirigente diz ainda que “com a aprovação da reforma da Previdência, este governo vai conseguir criar um exército de miseráveis, que contribuirão a vida inteira com o INSS e não conseguirão se aposentar”.

Ela conclui dizendo que, ante as ameaças, a única saída é o trabalhador e a trabalhadora “ocupar as ruas contra o desmonte dos direitos conquistados”.

Capitalismo que rouba sonhos
A presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, defendeu o papel social e de desenvolvimento dos bancos públicos durante o seminário. De acordo com ela, os sonhos que movem a classe trabalhadora, como ter casa própria, acesso à educação de qualidade, à universidade, à água e ao saneamento básico, além do sonho fazer a agricultura familiar se tornar mais produtiva e robusta, são viabilizados com a ajuda dos bancos públicos que têm o papel social.

“Para muitos, esses sonhos podem parecer fantasias, mas são sonhos são possíveis e realizáveis, como mostra a história recente do Brasil”, disse Juvandia se referindo aos governos Lula e Dilma, períodos em que as empresas públicas eram valorizadas.

“Essas instituições que eles chamam de ‘jeringonças’ já foram utilizadas para o desenvolvimento. E são escolhas que o povo brasileiro tem que fazer – escolher sonhar e realizar, e defender as ferramentas para que os sonhos possam ser realizados”, disse se referindo à defesa de bancos como Caixa Federal e Banco do Brasil, que estão na mira privatista de Paulo Guedes.

“Quem quer acabar com bancos públicos não compartilha dos mesmos sonhos dos brasileiros”, Juvandia Moreira

Caravanas
De Goiás, ao menos 15 ônibus já saíram de várias cidades do interior do estado. Napoleão da Costa, Secretário de Administração e Finanças da CUT Goiás e diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do estado (Sintego), afirma que “o Brasil está se transformando em uma terra arrasada ao pretender privatizar empresas que dão lucro, como Correios, Petrobrás e Eletrobrás”.

“O governo de Bolsonaro é claramente contra o povo”, Napoleão da Costa

De Minas Gerais, caravanas também estão se dirigindo ao Distrito Federal para reforçar a mobilização. De acordo com informações da CUT-MG, ônibus já saíram da capital Belo Horizonte e das cidades do Triângulo Mineiro.

Para o secretário-geral da CUT Minas Gerais, Jairo Nogueira Filho, o ato em Brasília tem papel especial para o estado de Minas governado por Romeu Zema (Partido Novo) que, assim como o governo Bolsonaro, ataca a classe trabalhadora e as políticas públicas de saúde e educação.

“É fundamental participarmos do ato em Brasília com uma caravana significativa por conta dos projetos nefastos do governo de Romeu Zema, que ataca trabalhadoras e trabalhadores com uma política agressiva contra a educação, a saúde, o funcionalismo e os serviços públicos, além das estatais em Minas, a Cemig e a Copasa”.

Jairo, que também é diretor do Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores na Indústria Energética de Minas Gerais (Sindieletro-MG), afirma ainda que “o ato em Brasília dará força aos mineiros para continuar fazendo a luta no estado”.

Fonte: CUT, disponível em
https://www.cut.org.br/noticias/em-defesa-do-que-e-do-povo-caravanas-dos-estados-reforcam-atos-nesta-quarta-80b4