Número de anulações cresceu 60% em relação ao segundo turno de 2014, quando Dilma (PT) foi eleita presidenta

Brasil de Fato

Dos 147,3 milhões de eleitores aptos a votar nas eleições 2018, 57,8 milhões escolheram Jair Bolsonaro (PSL) – cerca de 39,2%. Isso significa que 89 milhões, ou 61,8%, não aderiram à candidatura eleita neste domingo (28).

O percentual de votos nulos quebrou um recorde que se mantinha desde o pleito de 1989: 7,4%, um aumento de 60% em relação ao 2º turno entre Aécio Neves (PSDB) e Dilma Roussef (PT), em 2014. O estado que registrou maior número de anulações em 2018 foi Minas Gerais: 10,6%.

Os votos brancos somaram 2,4 milhões, ou 2,1%. Ao todo, 31,3 milhões não compareceram às urnas, o equivalente a 21,3% total de eleitores.

Na reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2006, foi registrado o menor índice desde a redemocratização – 16,8% do eleitorado.

O total de brancos e nulos nas eleições de ontem superou os 11 milhões, o equivalente à população de Portugal.

Fonte: Brasil de Fato, disponível em https://www.brasildefato.com.br/2018/10/29/58-milhoes-votaram-em-bolsonaro-89-milhoes-nao-brasil-quebra-recorde-de-votos-nulos/